O dever com o próximo

Notícia publicada em 5 de março de 2018

Hebreus 10.25

Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia.

 

Ontem assistia a um filme narrando a história de três pessoas que se afastam de Deus e da igreja e como suas vidas foram em derrocada. Mudança de hábitos, de princípios, perda de valores éticos e morais que levam à caminhos tortuosos e perdas que podem ser irreparáveis. Um casamento destruído, envolvimento com coisas ilícitas, ganância, entre tantos. E o que isso tem a ver com este texto você se pergunta?

 

O fato de estarmos congregando nos aproxima de Deus e do outro. Um ao outro ajuda e diz ao companheiro esforça-te. Alegrando com os que se alegram e chorando com os que choram. Tomando parte nas necessidades, e isso tudo só ocorre quando convivemos no templo e perto da presença de Deus. O cristianismo não cumpre seu objetivo se vivido só. Ele não existe na individualidade ,as sua essência está na irmandade, na comunidade.  É admoestando uns aos outros, por que o grande dia se aproxima. Por que Deus quer que amemos? Para viver só?  Jesus nos ordenou celebrar a ceia para mostrar quem é mais digno ou não tem pecado para comer? Pelo contrário, nos ensinou que antes do comer vem o partir.

 

Jesus é o único caminho que nos leva a Deus. Mas a fraternidade o costume ensinado por ele de congregar é a forma como chegamos até este caminho. Congregar  não é importante por que Deus está lá, Ele é onipresente. A importância se dá pela presença do outro e nisto subsiste a igreja. Um pelo outro, um ajudando o outro, animando, incentivando, cuidando…

 

Por Leandro Bizaio